Definir a origem exata do KoBu-Do não é tarefa das mais simples, pois a maior parte dos documentos escritos sobre esta arte marcial foram destruídos em incêndios e bombardeios ocorridos durante a Segunda Guerra Mundial. Na versão mais aceita pelos historiadores, as restrições impostas aos camponeses de Okinawa, proibindo-os de carregar armas, fez que estes passassem a adaptar ferramentas agrícolas, criando um sistema marcial desenhado para que pudessem se defender de possíveis ataques. Todavia, atuais estudantes de artes marciais não foram capazes de encontrar reforço histórico para esta teoria, e as provas colhidas por vários historiadores ligados às artes marciais apontam para a casta guerreira Pechin (equivalente à dos samurais no Japão) como aquela que praticava e estudava estas artes, diferentemente dos Heimins, ou camponeses. É verdade que o povo de Okinawa, sob regência dos poderes estrangeiros, foi proibido de portar armas ou utilizá-las em público. Mas a luta armada que estes praticavam secretamente (e os tipos de armas com as quais praticavam) tinha fortes raízes chinesas, e exemplos de armas similares foram encontrados a China, provenientes de épocas anteriores asa adaptações de Okinawa.

         As tradições do KoBu-Do foram desenhadas partindo das técnicas nativas de Okinawa, que nasceram a partir dos ajis, a classe dos nobres, e por métodos importados da China e possivelmente de outros paises que comerciavam com os Ryukyus. A maioria das tradições do KoBu-Do moderno, que sobreviveram aos tempos difíceis durante e depois da Segunda Guerra Mundial, foram preservadas e passadas às gerações seguintes por Taira Shinken e Kenwa Mabuni, e desenvolvidas para um sistema de práticas por Motokatsu Inoue, em conjunto com Taira Shinken. Outros mestres dignos de nota, que tiveram seus nomes adotados em katas de KoBu-Do, são Chotoku Kyan, Shigeru Nakamura e Shinko Matayoshi.

          O KoBu-Do é considerado por alguns estudiosos como o precursor do Karate-Do e vários estilos desta arte incluem algum grau de treinamento de KoBu-Do, como parte de seu currículo. Similarmente, não é incomum ver um chute ou outro golpe de “mãos limpas” em um kata de KoBu-Do. Em alguns estilos, as técnicas das duas artes são tão fortemente relacionadas, evidenciadas pelo uso de armas e de “mãos vazias” em um determinado kata, por exemplo, Kanku-daí, Kanku-sai Gojushiho e Gojushiho-no-sai; embora estes sejam Katas de KoBu-Do, não são formas tradicionais deste, mas foram desenvolvidos a partir de katas do Karate-Do. Outros katas do KoBu-Do demonstram elementos da técnica de “mãos vazias”, mantidos das formas antigas; Soeisi No Daí, uma forma de kata de Bo, é um dos poucos tipos de autêntico kata de KoBu-Do que utiliza chutes com técnica secundaria.

Seiichi Akamine

Seiichi Akamine (nome artístico em japonês Yoshitaka ou em chinês Shikan) nasceu no bairro de Izumizaki, na cidade de Naha, ilha de Okinawa , Japão, em 14 de maio de 1920.
          Era o irmão caçula entre seis e o único que praticou artes marciais dentro de uma família de descendentes de samurais.
          Iniciou-se ainda na prática de Kobudo com o Professor Shinko Matayoshi (1888- 1947), que lecionava no dojo de Sensei Miyagi, treinando bo, nunchaku, tonfa, kama, sai, nunte, etc.
          Em 12 de agosto de 1958, a convite da Okinawa Kyokai, desembarcou no Brasil, vindo de navio, para fazer demonstrações no sul do país. Sensei Akamine é lembrado por ter sempre reforçado que na vida é necessário ter mentalidade aberta para estar pronto para aprender sempre mais.
          Faleceu em 18 de julho de 1995, em São Paulo.

 

Gran Master Yoshihide Shinzato

          Nasceu em 15/março/1927 em Okinawa, Japão;

          Treinou Kobu-Do com o Mestre Shikan Akamine, Masahiro Nakamoto e Katsuyoshi Kanei, recebendo a categoria de Hanshi pelo Mestre Katsuyoshi Kanei em novembro de 1993; ainda treinou Judô com o Prof. Itokazu durante o colegial. Treinou ainda no Brasil, Goju-Ryu KARATE-DO com o Mestre Shikan Akamine